Cabelos em alta

Conheça as tendências 2016

Quem é ligado em tendências de moda sabe que já foi iniciada a temporada de inspirações do ano. As principais premia­ções com os prestigiados tapetes vermelhos já estão acontecendo e as novidades e reafirma­ções de looks apareceram com força.

As primeiras impressões foram observadas logo no início de janeiro com a entrega do Globo de Ouro. Em breve será a vez do Oscar. “Todas as tendências que vemos são lançadas no hemisfé­rio norte e nós as replicamos o ano todo. Tudo que indicará as tendências da moda acontece no primeiro trimestre do ano”, explica Robson Ri­ghetto, cabeleireiro do Studio W Anália Franco, com 26 anos de experiência e cursos em cidades como Nova York, Barcelona, Paris, Londres, Ber­lim e São Petersburgo (Rússia).

Robson conta que, apesar de os tapetes ver­melhos ditarem o que será moda no que se refe­re a cabelos, é preciso adequar as tendências à beleza de cada pessoa. Isso deve ser levado em consideração no Brasil porque, devido à mestiça­gem existente entre população, os tons de pele e tipos de cabelos das brasileiras costumam ser diferentes das modelos de passarela.

O cabeleireiro da Studio W ressalta que é importante filtrar as informações obtidas na in­ternet para não fazer escolhas incom­patíveis à própria realidade. “Tudo o que vemos em revistas, blogs, sites, Facebook, Instagram, em redes sociais, são cabelos produzidos. O que na vida real pode não ser bem aquilo, pois na­quela foto há uma luz bacana, flash, a maquiagem e a produção. Tudo isso ajuda para que o cabelo fique mais bo­nito na foto.”

Para ele, o profissional de beleza deve orientar os clientes a respeito do corte e da tonalidade que mais combi­nam com as características físicas, de forma que os cabelos possam perma­necer bonitos no dia a dia. “Para mim, particularmente, é importante que o cabelo que eu faça, em qualquer ho­mem ou em qualquer mulher, na hora que a pessoa o lavar em casa consiga replicar o efeito obtido no salão. Por mais que não fique com toque profissio­nal, mas que a pessoa consiga arruma-lo e se sentir adequada.”

Confira a seguir as tendências des­tacadas por Robson Riguetto para este ano.

Cortes

Duas tendências de cortes que têm agradado às brasileiras são o Bob e o Midi. O primeiro, como Robson explica, trata-se de um chanel um pouco mais curto, que fica levemente abaixo da li­nha da nuca, e o segundo é um corte abaixo do ombro. “A brasileira que mais está usando o Midi no momento é a Ju­liana Paes. Também existe o Midi como o da Gisele Bündchen, que é um cabelo na altura da linha do sutiã.”

O corte feminino muito curto, o Pi­xie, ainda é tendência, principalmente as entre as hollywoodianas. “As brasilei­ras ainda têm certa resistência em usar o Pixie. Isso porque os homens latinos gostam de mulheres com cabelão, pois ligam a feminilidade a essa questão de mulheres com cabelos longos.” Mas o cabeleireiro diz que há brasileiras an­tenadas que viajam que já pensam em fazer um Pixie, porque entenderam que ele é mais curto e mais versátil, mas que não deixa de ser feminino.

Quanto aos cabelos longos, Robson é enfático: são bacanas, mas não se vê mais aqueles longos na altura da cintura. “Um longo mais ou menos na me­tade das costas é a altura máxima que estamos ven­do. Medindo na altura do meio do braço”, explica.

O cabeleireiro da Studio W chama a atenção para a democratização da forma do cabelo que vem se in­tensificando nas últimas estações. “A forma está li­gada ao style, ou seja, como esse cabelo vai ser”, diz.

Ele conta que as mulheres que têm cabelos ca­cheados pararam de fazer escovas definitivas ou progressivas porque perceberam que com esses processos os cabelos afinam, quebram e perdem o volume e o movimento. Hoje, as mulheres cada vez mais querem ter cabelos naturais, volumosos, ondu­lados e mais modelados, e adquiriram a consciência de que se fizerem progressivas não conseguirão isso.

Penteados

A era dos cabelos chapados, comuns nos anos 90, parece mesmo ter ficado para trás. Hoje, as ondula­ções dominam as passarelas e agradam, e muito, as mulheres brasileiras. Há tempos o símbolo da nova era dos cabelos é a modelo Gisele Bündchen. Dona dos fios ondulados mais invejados no mundo todo.

Robson explica que o penteado liso também so­freu modificações ao longos dos anos porque muitas mulheres começaram a notar os efeitos que equi­pamentos térmicos provocam nos fios. “Como pro­fissionais temos o dever de mostrar à cliente que o uso de equipamento térmico acaba danificando o fio. Por mais que tenhamos os melhores protetores térmicos do mercado chega um certo momento que a conta vai chegar.”

Esta reeducação nos cuidados com os cabelos permitiu a mudança do interesse pelo liso chapado para o liso feito com bobes, um liso escovado mais solto e que tem movimento. “Hoje, as ondulações não estão mais com aquelas pontas modeladinhas. Há um ondulado mais solto com as pontas mais re­tas, que é mais moderno e tem cara mais de rua”, destaca Robson. Ele explica que o legal hoje é ter um cabelo do tipo “pós-babyliss, que seria um cabelo com efeito de quem foi ao salão no dia anterior”.

Apesar de o efeito ondulação ter mais per­feição se produzido em um salão, equipamentos como o Miracurl podem ser usados em situa­ções emergenciais em casa ou em uma viagem, por exemplo, conforme dica do cabeleireiro.

“A cada estação as tendências estão tornando os cabelos mais soltos, mais leves. Hoje, os pentea­dos parecem ter sido feitos pela própria mulher”, ex­plica Robson. O estilo mais solto é válido ainda para penteados com cabelos presos.

No caso de tranças, são mais usadas tranças retas atrás, coque de trança, trança passada pela cabeça como se fosse uma tiara ou tranças mais desestrutu­radas. “Trança de lado não dá mais”, alerta.

Coques com volume, despenteados e mais soltos e os coques muito baixos também são tendências. Já no caso de rabos de cavalo, vale a pena colocá-lo lá no alto. A moda do momento é usá-lo no ápice da cabeça e esconder o elástico com uma mecha do próprio cabelo.

Cores

Mudar a cor do cabelo é um hábito que muitas brasileiras apreciam. Mas antes de seguir a cor do momento é preciso ter certeza de que ela ficará harmonio­sa com o seu tom de pele. Os ruivos, por exemplo, continuam em alta, mas são adequados para quem tem a pele muito clara. “A pessoa tem que ter quase cara de ruiva de ver­dade. O ruivo não pode ter cara de quem pintou o cabelo. Precisa pa­recer natural’, diz o cabeleireiro.

O grande boom na atuali­dade é o estilo Bronde, que é uma mistura do marrom com o loiro. A cor é indicada

a mulheres com cabelos mais escuros e querem fazer umas nuances. “Para quem não quer ficar loira e quer mexer no fundo do cabe­lo. Dá para fazer reflexos com tons de marrom e tons levemente dourados. Fica bacana, chique, elegante. Sem perder a essência de morena. Dá para ter luminosidade sem deixar de ser more­na”, diz Robson, que destaca como referências de adeptas a esse estilo Jennifer Lopez e a atriz Eva Green.

Mas quem tem cabelos escuros não tem só a opção do Bronde. Outra tendência forte são os cabelos monocromáticos, aqueles conheci­dos como Darks, que têm uma cor intensa e uni­forme. Para obter um efeito que deixe o cabelo com cor bonita e viva muitas morenas têm usado tonalizantes sem cor para apenas realçar o tom escuro.

Já os cabelos loiros vêm ganhando tons mais leves, cada vez mais se distanciando do efeito pla­tinado, aquele puxado para o cinza, que dominou algumas estações atrás. “A tendência agora são os tons amanteigados, mais próximos a cabelos com dourado lavado, quase chegando ao cinza, mas ele não é cinza”, diz Robson. Ele explica que o interesse pelo tom vem sendo deixado de lado porque quando uma mulher com cabelo acinzen­tado tira foto, o cabelo não reflete luz, portanto não fica tão bonito.

Pouco aderidos no Brasil, os Colors Hair são ten­dência forte em metrópoles como Londres, tanto os cinzas intensos, chamados de Grey, quanto as cores de algodão doce como azul, rosa e verde em tons clarinhos, definidos como Candy Colors.

Homens

Os homens perderam o medo da tesoura e hoje estão mais abertos a cortes ousados e presentes nas passarelas. Hoje, a mulher é quem senta na cadeira e pergunta: “o que fica melhor para mim?” Enquanto os homens estão indo mais atrás de inspirações. “Os homens estão muito antenados. De cada dez que eu atendo, oito trazem fotos como referência para o ca­belo que querem ter. Homens de qualquer idade”, diz o cabeleireiro do Studio W.

Em relação a cortes, os cabelos com degrades laterais estão em alta. Para cabelos com volume o corte do momento é o pompadour, no qual a late­ral é mais raspada e sobe em degrade somada a um grande topete. Mariano Di Vaio, o modelo italiano, é a referência com esse estilo.

O corte Caesar, inspirado no imperador romano Júlio César, também é tendência. Este é um corte bem curto proporcional por toda a cabeça. Pode ser feito com tesoura ou com máquina, para aqueles que desejam obter um aspecto raspado. O modelo é mais indicado para homens com cabelos lisos ou pouco ondulados.

Outras apostas certas para os homens são cabelos compridos, coque samurai e barbas, com diferentes volumes, da mais rala até aquela que lembra um lenhador.

Mas se for escolhido um corte mais lon­go ou volumoso é preciso que o homem fi­que atento à quantidade e ao tamanho da barba e da sobrancelha. Para que o visual não fique muito carregado.

Os homens também estão buscando mais processos químicos do que antigamen­te. “Eles querem ter cabelos compridos, ter franja, ter cabelos desestruturados. Mas às vezes o cabelo é ondulado. Então, o que eu faço muito hoje é a redução de volume, o que ajuda a reduzir a ondulação do cabelo sem deixá-lo com cara de um cabelo que passou por um processo de alisamento”, conta Robson.

Colorir o cabelo para não parecer que está grisalho, mas mantendo a identidade do cabelo branco, é outra atitude que homens mais maduros estão aderindo. “Faço muito o disfarce do cabelo branco no homem. Ele não quer ficar com o cabelo tão branco, mas também não quer ficar com cara de cabelo tingido. Com produtos específicos conse­gue-se tingir apenas 50% do cabelo”, explica o cabeleireiro.

por Amanda Santana
fotos: www.canstock.com.br

Compartilhe este Artigo