Pequenos à bordo

Cuidados para aproveitar a viagem com as crianças

O ano começou e você e sua família ainda estão em clima de férias. Também de olho no feriado de Carnaval que se aproxima. Afinal, este pe­ríodo é perfeito para viajar em família, pois as crianças estão em férias escolares e muitos pais em férias do trabalho. E se vocês não forem viajar agora, ao longo do ano oportunidades poderão surgir, por isso é impor­tante já irem se preparando!

Viajar em família é bastante divertido mas é neces­sário planejar tudo com atenção, pensando em primei­ro lugar no bem-estar das crianças. Quanto menores elas forem, mais cuidados precisarão. Neste caso, a decisão de para qual destino ir e o que se deseja fazer ficará totalmente sobre a responsabilidade dos pais, mas deve-se avaliar o que será mais agradável ao filho.

Se a viagem for planejada com crianças maiores será inevitável os palpites e a participação delas no pla­nejamento. O que pode trazer alguns desentendimen­tos entre os membros da família.

É absolutamente normal que enquanto os pais de­sejam um lugar tranquilo para descansar, as crianças queiram opções divertidas – e bastante cansativas. Para solucionar a questão será necessário diálogo e nego­ciação.

DEFININDO O DESTINO

Na maioria das vezes uma viagem começa a ser pensada a partir do desejo de visitar ou conhecer de­terminado lugar, ou seja, o destino é o fator motivante. Mas às vezes a vontade de viajar surge sem mesmo se saber para onde pretende-se ir. Quando isso acontece é dada a largada pela procura de um destino. Buscas na internet, leituras de revistas de viagem, conversas com amigos… é hora de encontrar opções que lhe ajudem a tomar a decisão.

“O planejamento é fundamental, busque bastante informação em blogs, sites e guias antes de ir. O desti­no escolhido vai ter suas características próprias, sendo mais ou menos preparado para os pequenos. Isto não impede que qualquer destino seja bacana. E, por outro lado, destinos populares entre as famílias podem ser muito desagradáveis para as crianças, se não houver bom senso e planejamento”, alerta Marcio Nel Cimatti, autor do blog A Janela Laranja, fotógrafo viajante e pai da Vitória e da Giovana.

No caso de uma viagem com crianças a busca pelo destino deve ser diferenciada, sempre ressaltando os prós e os contras das opções levantadas antes de ser tomada uma decisão. De nada adiantará planejar um tour pelos museus da França sabendo que o seu filho poderá chorar e incomodar os outros visitantes, ou ain­da correr e tentar tocar nas obras em exposição. Pense bem antes de optar por um destino como este. Pondere se seu filho tem interesse e está preparado para locais que exigem concentração e bom comportamento.

Praia e campo são sempre boas pedidas, pois lu­gares ao ar livre são agradáveis e permitem liberdade para os pequenos. Uma dica importante ao escolher uma praia: fique atento às características do lugar, como tamanho das ondas e frequência dos ventos. Lembre-se que crianças adoram ficar no mar e, portan­to, uma praia mais apropriada para elas proporcionará mais segurança.

Crianças maiores apreciam lugares com playgrou­nds, parquinhos, praias com mar calmo e areia fofa, além atrações com animais (zoo, tartarugas, golfinhos), de acordo com Patricia Papp, autora do blog “Eu Viajo Com Meus Filhos” e dos livros “Como Viajar com Seus Filhos Sem Enlouquecer” e “Praias do Nordeste com Crianças”.

O pediatra do Hospital e Maternidade São Luiz Aná­lia Franco, Thiago Gara, destaca outra dica: “Invista em viagens que estimulem a criatividade, curiosidade, que proporcionem o contato com a natureza, esportes, his­tórias de livros, etc.” Para o pediatra é fundamental que “os roteiros estejam dentro do perfil da criança e res­peitem a dinâmica com relação à sua rotina de horários e alimentação.”

Após definir o destino, comece a checar as condi­ções dos hotéis disponíveis. “Verifique se o hotel es­colhido tem alguma estrutura para receber crianças, principalmente se forem pequenas, como berços e ele­vadores para os carrinhos”, explica Marcio. O pediatra do Hospital e Maternidade São Luiz Anália Franco, ain­da completa: “o lugar deve ter uma infraestrutura mí­nima como por exemplo uma cozinha para esquentar a mamadeira nas madrugadas.”

Caso não exista preparo do hotel neste sentido, re­flita se será possível fazer adaptações que supram às necessidades do seu filho, por exemplo: levar um berço desmontável e uma banheira inflável resolverá a ques­tão? Ou será preciso ainda encontrar uma forma para aquecer a mamadeira ou improvisar uma ca­deira para alimentação?

Se você não terá tempo para providenciar os itens necessários ou não sabe bem como fazer as adaptações, os resorts e hotéis-fazenda podem ser a melhor opção. Estes tipos de hospedagem oferecerem mais praticidade, pois possuem locais e objetos necessários para as crianças como copa para lavar e preparar a mamadeira, cadeiras para alimentação, entre outros. São locais interessantes para levar crianças também por terem segurança, infraestrutura, monitoramento e programação de atividades exclusivas para os pequenos, do espor­tivo ao recreativo.

Pense bem antes de definir o destino e o local de hospedagem, avalie as opções de atividades que poderão ser feitas e se todos estarão contentes com o que foi decidido. Outros fatores importan­tes a se informar antes de escolher o destino são destacados por Marcio: “Pesquise sobre vacinas necessárias, documentação, como é a alimentação no país (ou cidade), quais as melhores opções de voos e atrações que agradem às crianças também.”

Patricia ainda explica que é importante ficar atento à localização do hotel, de forma a evitar des­locamentos desnecessários. “Uma hospedagem em uma região central pode facilitar algumas para­das durante o dia!”. Além disso, cheque a existência de hospitais e unidade de saúde nas proximidades, para casos de emergência.

Atente-se ao fato de que um roteiro agradável para as crianças também deve agradar a todos da família. “Por exemplo, em uma cidade grande, como Londres, Paris ou Nova Iorque, é legal que cada um te­nha seu tempo. Pode ser um playground para os mais novos, um museu interativo para os grandinhos, um restaurante divertido para a família, um ponto histórico ou uma loja para os pais. O importante é que todos res­peitem o momento de cada um”, diz Patricia.

O blogueiro Marcio faz ainda outra sugestões: “Mu­seus interativos, parques onde podem brincar, mo­mentos de atividade conjunta com os pais e até resorts com monitores e outras crianças da mesma faixa etária criam momentos bacanas. Para as crianças maiores, ver ‘ao vivo’ o que aprendem na escola também é muito legal e inesquecível.”

ANTES DE VIAJAR

Com o destino definido, começam os preparativos. Se a viagem for para longe, o avião será sempre a melhor opção de transporte, pois viagens longas em ônibus ou carro podem gerar grandes desconfortos para a criança. Na hora de escolher um voo prefira os sem escala e conexões e em horários mais tranquilos do dia. Se a viagem for de carro, além de vistoriar o veículo antes de cair na estrada, lembre-se de providenciar os itens de segurança, como cadeirinhas de acordo com cada faixa etária.

É fundamental levar as crianças a uma consulta com o pediatra antes de viajar, para verificar a saúde delas e receber dicas e prescrições, se necessário. “É importan­te conversar com o pediatra e montar uma farmacinha básica adequada para seu filho”, diz Patricia.

Em caso de viagens para o exterior, verifique a ne­cessidade de passaporte e visto para a criança, além de outros documentos que possam ser exigidos – como receitas médicas.

Quando chegar a tão esperada hora de preparar a mala, liste tudo o que for necessário levar para ajuda­-lo a não esquecer de nada. “Malas feitas com pressa acabam ficando cheias de itens desnecessários e po­dem deixar de lado outras coisas que sejam importan­tes. Deixe de lado roupas muito delicadas, cheias de enfeites ou que sujem muito fá­cil”, opina a blogueira.

Separe sapatos práticos e roupas con­fortáveis. O pediatra do Hospital e Maternidade São Luiz Anália Franco, Thiago, ainda atenta à necessidade de escolher “roupas adequadas para cada tipo de viagem, como praia, montanha, neve, entre ou­tras”. Outros itens essenciais para levar dependerá do tipo de viagem. Por exemplo, praia e campo pedem protetor solar, boné, repelente e garrafinhas de água, enquanto outros destinos podem exigir luvas e toucas.

No caso de viagens para fora do país, Marcio alerta que é preciso fazer as malas cuidadosamente. Tanto a mala de roupas, quanto a de mão e de remédios. Tam­bém vale a pena fazer uma listinha para cada uma de­las. “Na mala de mão, leve alguns remédios para febre ou dor, termômetro e pomada para dentição. Inclua duas trocas de roupas, considerando a temperatura na chegada ao destino, e não esqueça fraldas e lenços umedecidos. Leve alimentos e bebidas e brinquedos preferidos.”

O blogueiro ainda reforça a necessidade de levar na mala os remédios básicos, algumas comidinhas e roupas para o caso de haver uma oscilação brusca de temperatura. Não esqueça de separar água e alimen­tos leves para o percurso e brinquedos e atividades que possam distrair as crianças como historinhas e livros de pintura.

DURANTE O PERCURSO

Checadas as condições de segurança para a criança (cadeirinha e cinto no carro/ cinto no avião ou ônibus), prepare-se para horas de estrada ou voo e leve muita paciência com você. Em alguns momentos poderá ser necessário distrair as crianças. A não ser que você te­nha sorte e as crianças durmam durante todo o trajeto. Na volta da viagem isso pode até acontecer, mas du­rante a ida, devido à empolgação e às expectativas, é provável que as crianças fiquem mais impacientes.

“Muita paciência e muitas atividades”, essa é a dica de Patricia. “No carro meus filhos gostam de brincadei­ras com palavras, músicas, contação de histórias. No avião levo adesivos, cadernos, lápis de cor, brinquedi­nhos surpresas para voos logos ou esperas e eletrôni­cos para imprevistos!”

Em viagens de trem pela Europa é possível escolher lugares com mesa que ajudam a realizar as atividades durante o percurso. Os assentos chamados “open sa­loon with table” comportam até quatro pessoas. Para mais privacidade, você poderá optar pelos assentos “compartment”, cabines para até seis pessoas.

DURANTE A VIAGEM

Com a chegada ao destino a programação começa a ser colocada em prática, mas muitos cuidados devem ser tomados a partir desse momento. Os pais precisam observar alguns detalhes durante os dias de viagem para garantir a saúde das crianças, como cuidar da ali­mentação (água filtrada, alimentos expostos ao sol ou de procedência questionável) e hidratar os pequenos na medida certa. Além de estarem atentos se há calor ou frio em excesso. “As necessidades dos bebês são estar em lugares frescos, bem acomodados e alimen­tados. Se ainda mamarem no peito, mais fácil ainda”, explica a blogueira Patricia.

O pediatra Thiago destaca outros detalhes a consi­derar: “basicamente hidratação e observar alterações de comportamento, como irritabilidade, sonolência, etc.”

Atenção ao ritmo da criança é primordial para que a viagem seja proveitosa e ela não perca a disposição para os dias que virão pela frente. “Também acho mui­to importante respeitar o ritmo das crianças, elas pre­cisam dormir bem, estar descansadas. Crianças tem perninhas menores do que os adultos e não tem tanta pressa”, diz Patricia.

Faça adaptações no roteiro sempre que achar ne­cessário. “Para mim e minha família, a viagem nunca pode ser “engessada’ em uma programação. Dê espaço para que as crianças fiquem mais tempo em uma ativi­dade que gostaram, mude o roteiro para dias chuvosos, respeite o ritmo dos pequenos. E aproveite muito!”, diz Marcio. Ele ressalta que é preciso estar preparado para imprevistos, inclusive de saúde, por isso é importante se informar antes sobre os telefones do seguro saúde.

Com longo repertório de viagens em família, o blo­gueiro destaca que as crianças aprendem muito com a experiência e que estes são excelentes momentos para pais, mães e filho(a)s se conectarem mais e aprende­rem juntos, por isso é válido envolver os pequenos em todas as fases da viagem, do planejamento ao retorno. “Fico surpreso com a quantidade de momentos que as minhas filhas se recordam de viagens que fizemos e da intensidade com que se lembram. Com certeza, elas absorvem muito os momentos onde há interação. Seja com o ambiente, com os próprios pais, com outras crianças.”

Marcio finaliza com uma dica importante: “Respeite seus filhos e aproveite esta experiência para estarem verdadeiramente juntos.”

PAIS DE PRIMEIRA VIAGEM

Este é um importante momento para conhecer seus filhos e apresentar a eles um universo diferente do que estão acostumados. Aproveite para estreitar laços! Qualquer insegurança que possa surgir sobre como lidar com as situações de viagem pode ser amenizada ao consultar um pediatra e fazer um bom planejamento. Conversar com amigos que já tiveram esta experiência também pode ajudar muito.

Amanda Santana

Compartilhe este Artigo