Sorrir faz bem à saúde

O sorriso é tão eficiente quanto o relaxamento

Parece piada, mas há quem afirme que dar boas gar­galhadas diante de situações que causam dor, como quebrar uma perna, pode amenizar o desconforto. De certa forma, faz sentido: a cada sorriso o cérebro é induzido a produzir e liberar mais endorfina, o neurotransmissor re­lacionado às sensações de prazer e bem-estar, além de ser um potente analgésico natural.

Mas para os especialistas, não é ape­nas com um sorriso que a dor intensa vai passar. “Ainda há poucas pesquisas nesse sentido, mas já é comprovado que o sorriso causa uma ação bioquímica no organismo que resulta em reações benéfi­cas, mas não a ponto de cessar a dor intensa”, acredita Sérgio Luís de Miranda, médico e cirurgião espe­cialista em cirurgia buco-maxilo-facial do Hospital Israelita Albert Einstein (HIAE). “Dizem até que o sorriso é tão efi­ciente quanto o relaxamento, a meditação e os exercícios físicos”, completa o dr. Miranda.

Sorrir pode até não ser o melhor – ou único – remédio, mas que faz bem à saúde os especialistas concordam. Pesquisa divulgada em 2006 pela Escola de Medicina da Universidade Loma Linda, na Califórnia (EUA), com­prova que o riso colabora para aumentar a produção e a atividade no organismo das células NK (do inglês, natural killers), responsáveis por destruir ví­rus e até tumores presentes no organismo. E mais: o sorriso vem sendo utilizado como recurso de humanização no cuidado de pacientes em hospi­tais do mundo todo.

O filme Patch Adams – O Amor é Contagioso, de 1998, em que um médico se veste de palhaço para atender crianças internadas, trouxe o tema para as telas e a realidade americana já é vivida por grupos de atores que, vestidos de palhaços, visi­tam hospitais para aumentar a auto-estima e alegrar os pacien­tes, familiares e profissionais da saúde.

Para Ana Lúcia M. da Silva, psicóloga do Departamento de Pacientes Graves do HIAE, o riso pode ser um recurso terapêutico na medida em que altera o esta­do emocional da pessoa, tornan­do-a mais favorável a enfrentar situações psicologicamente difí­ceis, como uma doença grave na família.

“O senso de humor e o sorri­so espontâneo estão relaciona­dos a melhor qualidade de vida e percepção de bem-estar, além de favorecer o enfrentamento de adversidades e frustrações. Entretanto, não podemos rela­cionar a isso maior possibilidade de cura não relacionada a fatores comportamentais, como a ade­são ao tratamento, por exem­plo”, defende a psicóloga.

BENEFÍCIOS EXTRAS PARA O CORPO

Além de garantir boas do­ses de endorfina e proporcionar bem-estar, uma boa risada ainda traz vantagens para os sistemas cardiovascular, respiratório e imunológico.

O senso de humor e o sorriso espontâneo estão relacionados a melhor qualidade de vida e per­cepção de bem-estar.

SISTEMA CARDIOVASCULAR

É ativado com o sorriso, o que aumenta a frequência cardíaca e a pressão arterial, além de provocar a vasodilatação das artérias. Esse conjunto de reações proporciona maior fluxo de sangue para todo o organismo.

SISTEMA RESPIRATÓRIO

Durante a risada os pulmões passam por uma hiperventilação, o que eleva a concentração de oxigênio na circulação sanguínea e resulta em melhor distribuição de oxigênio aos tecidos.

SISTEMA IMUNOLÓGICO

Além de colaborar para a produção das células NK, as boas gargalhadas aumentam a quantidade de saliva, que também é benéfica para a imunidade. “Com o acréscimo da saliva, sobe o nível de imunoglobulina, substância capaz de combater gripes e resfriados”, explica Ana Paula Zalchenko Fonseca, cirurgiã-dentista especialista em cirurgia buco-maxilo-facial do HIAE.

Depois de tantos benefícios, o que vale mesmo é uma risada sincera e natural. Esta sim desencadeia os mecanismos do corpo para a produção de endorfina e a sensação de prazer e bem-estar. Então, sorria! Seu corpo e sua mente agradecem.

Compartilhe este Artigo