Paisagens brasileiras

Paisagens brasileiras

O Brasil é cheio de maravilhas naturais e por isso não faltam opções interessantes a serem visitadas por amantes da natureza e aqueles com alma aventureira. Dentre as opções Brasil afora, os Parques Nacionais destacam-se por suas paisagens diversificadas e impressionantes.
Popularmente chamados de Reservas Naturais, os 71 Parques Nacionais brasileiros fazem parte das Unidades de Conservação administradas pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), vinculado ao Ministério do Meio Ambiente (MMA).
A maior parte deles são abertos à visitação, apesar de terem visitas controladas e diversas regras para visitação, a fim de cumprir seu objetivo de preservação do ambiente natural. Em 2015, foram mais de 7 milhões de visitas a Parques Nacionais, segundo o ICMBio.
Atualmente, o Brasil possui 320 Unidades de Conservação federais geridas pelo ICMBio, espalhadas em todos os biomas brasileiros: Amazônia, Caatinga, Cerrado, Mata Atlântica, Pampa, Pantanal e Marinho. Todas as Unidades de Conservação federais somaram mais de 8 milhões de visitantes em 2015, segundo dados do ICMBio, sendo que 7.149.112 visitas foram a Parques Nacionais, 371.339 a Florestas Nacionais, 723.574 a Áreas de Proteção Ambiental e 312.524 a outras categorias.

REGIÃO NORTE
Parque Nacional de Anavilhanas - Novo Airão/AM
Localizado no Estado do Amazonas, este Parque Nacional possui 350.469 hectares e é uma importante área de preservação do bioma Amazônia. Anualmente, o Parque Nacional de Anavilhanas recebe cerca de 30 mil visitantes. Não há necessidade de autorização de entrada e nem ingresso, contudo algumas atividades dentro do Parque podem ser cobradas.
O Parque destaca-se por sua parte fluvial, que representa 60% da unidade. Dentro dos seus limites é preservado o arquipélago fluvial de Anavilhanas, um dos maiores do mundo, e são abrigadas mais de 400 ilhas espalhadas em uma área de 130 quilômetros de extensão e, em média, 20 quilômetros de largura.
A grande atração do Parque é o Flutuante dos Botos, onde há interação com botos-vermelhos. É possível ainda conhecer belas praias e ilhas, fazer trilhas terrestres e aquáticas, observação de fauna e flora, voo panorâmico e atividades náuticas.

REGIÃO NORDESTE
Parque Nacional de Jericoacoara - Jijoca de Jericoacoara/CE
Este Parque Nacional preserva o bioma Marinho Costeiro em uma área de 8.862 hectares. É o terceiro Parque Nacional mais visitado no país, só em 2015 recebeu mais de 780 mil visitantes. O alto potencial turístico é favorecido por sua localização e forte estímulo publicitário. Não há cobrança de ingressos para a visitação.
A Pedra Furada é o principal ícone do Parque e ponto de visitas aos interessados em assistir ao tão famoso espetáculo do pôr-do-sol de Jericoacoara.
O Serrote, formação rochosa que se eleva ao nordeste da Vila de Jericoacoara, apresenta o ponto culminante do parque, onde está localizado o farol a uma altitude de 95 metros.
Além de belas praias, movimentadas ou isoladas, o Parque oferece passeios a cavalo ou de buggy pelas dunas e passeio ecológico de canoa nas lagoas temporárias e nos manguezais – para observação dos cavalos-marinhos. A prática de esportes náuticos é também comum por lá.

REGIÃO CENTRO-OESTE
Parque Nacional da Chapada dos Guimarães - Chapada dos Guimarães/MT
O sexto Parque Nacional mais visitado em 2015, com 174.855 visitantes, preserva o bioma Cerrado em uma área de 32.630 hectares. É marcado pela diversidade de relevo e faz parte da bacia hidrográfica do Alto Paraguai, protegendo cabeceiras do rio Cuiabá, um dos principais formadores do Pantanal Matogrossense. Em seus limites são protegidas amostras dos ecossistemas locais e preservados recursos naturais e sítios arqueológicos existentes.
O mirante da Cachoeira Véu de Noiva, com 86 metros de altura, é o grande atrativo do Parque. Diversas trilhas levam os visitantes a cachoeiras, piscinas naturais e formações rochosas. Há inclusive o circuito de cachoeiras, no qual seis podem ser visitadas.
Araras vermelhas são facilmente encontradas por lá, assim como espécies vulneráveis à extinção como o tamanduá-bandeira (Myrmecophaga tridactyla), o lobo-guará (Chrysocyon brachyurus), a jaguatirica (Leopardus pardalis) e a onça-pintada (Panthera onca).
A entrada no parque é gratuita, mas alguns pontos de visitação requerem agendamento com guias autorizados.


REGIÃO SUL
Parque Nacional de Aparados da Serra - Cambará do Sul/RS
Este foi o oitavo Parque Nacional mais visitado em 2015, recebendo 106.899 visitantes, atraídos por seu visual repleto de montanhas e vales profundos. Preservando o bioma Mata Atlântica, esta unidade conserva formações rochosas e aspectos geológicos e geomorfológicos.
O Parque tem como principal ponto turístico o Cânion
Itambezinho, formado por paredões com 5,8 quilômetros de extensão e com 700 metros de profundidade. É possível conhecer o interior do Cânion por meio da Trilha do Rio do Boi, na qual também é possível tomar banho de rio.
Há mais duas trilhas abertas ao público, a do Vértice e a do Cotovelo. Alguns bichos encontrados no Parque são papagaios-de-peito-roxo, jaguatirica, guaxinim e leão-baio, além de outros animais em extinção. Há cobrança de ingressos, com isenção para maiores de 60 anos e menores de 12 anos.

REGIÃO SUDESTE
Parque Nacional de Itatiaia - Itatiaia/RJ
O Parque Nacional Itatiaia foi o primeiro criado no Brasil, em 1937, e tem 28.084 hectares de área de preservação do bioma Mata Atlântica. Em 2015, foi o sétimo Parque Nacional mais visitado no país, recebendo 133.801 de pessoas. É bastante conhecido por abrigar diversas espécies de aves, mais de 350 podem ser encontradas lá.
Na parte alta do Parque há campos de altitude e vales suspensos, além de nascentes de 12 bacias hidrográficas regionais. Nesta parte, o Pico das Agulhas Negras é destaque, com 2.791 metros de altitude. Na parte baixa há diversas áreas apropriadas para banho. Vale a pena visitar também as cachoeiras do Parque.
Há cobrança de ingressos para visitas, com isenções para maiores de 60 anos e menores de 12 anos e descontos para visitas em dias consecutivos.

 

por Amanda Santana
Foto: canstockphoto

Compartilhe este Artigo