Varanda gourmet é fator decisivo na hora da compra do imóvel

Varanda gourmet é fator decisivo na hora da compra

O termo gourmet é geralmente usado para associar a ideia de alta gastronomia, de sofisticação. O conceito de varanda gourmet muda a antiga concepção de que cozinha seja um lugar de serviço em comparação aos grandes cômodos da casa.

Nos últimos anos esse espaço, que antes funcionava apenas como sacada – um adicional em alvenaria feito em torno das portas ou janelas, passou a ser chamado varanda gourmet, tem ganhado evidência, sendo utilizado no dia a dia, e não apenas nos finais de semana.

Os recentes empreendimentos imobi­liários adotaram o conceito de varanda gourmet, que foi muito bem aceito pelo mercado. Para a designer de interiores Patrícia Kolanian Pasquini, o local é uma das partes mais importantes da casa. “Este espaço passou a ser uma área de convívio da família e para receber amigos”, afirma.

A especialista em varandas gourmet nos apresenta, de maneira simples, uma ideia de como este espaço pode ser con­cebido e usado nas casas e apartamentos.

“Alguns empreendimentos oferecem varandas muito amplas onde é possível elaborar um projeto bacana”, conta a desig­ner. Além disso, ela salienta que o perfil de exigência em relação aos cômodos da casa mudou: “hoje os clientes logo comentam que querem algo sofisticado e prático para a varanda gourmet”, completa.

Em relação às novidades e tendências desse mercado, a profissional explica que as pessoas pedem que o espa­ço tenha uma área reservada para a churrasqueira. “Normalmente costumo projetar uma ilha de apoio para facilitar o uso e ser prático no dia a dia. Apre­sento o projeto da ilha com um cooktop – ou fogão de mesa, e os clientes ficam surpresos e, no final, adoram a ideia e acabam utilizando bastante, às vezes até mais que a churrasqueira”.

Alguns materiais são muito utilizados, como Silestone (que é fabricado em 94% de quartzo natural, com proteção bac­teriostática que confere características únicas), e dá opções em diversas cores e acabamentos. Tem o visual mais bonito que o granito para a bancada. Sobre o aproveitamento de espaço e interligação dos ambientes, nos projetos, os mate­riais são iguais ou no mesmo tom para integrar. “Não gosto de misturar muitos materiais, senão a casa fica parecendo um showroom de loja”, conta a designer.

Caso a varanda seja grande, é possível optar por transformar o local em mais de um ambiente. “Lugar para preparar refeição como uma ilha central, mesa de refeição com cadeiras confortáveis e, se ainda tiver espaço, uma área com poltronas chaise long (uma espécie de divã ou cadeira de descanso) para leitura ou repouso”, ressalta Patrícia.

Sobre os temas mais procurados, ela é clara ao dizer que não há um padrão, já que cada cliente tem a sua preferência, bem como as estações do ano não in­fluenciam no projeto. Hoje, em casas com varandas e em apartamentos, os condo­mínios permitem o fechamento do espaço com vidro articulado e isso faz com que se consiga utilizar o local o ano todo.

Patrícia esclarece que é necessário realizar reuniões onde são selecionadas várias amostras de materiais para facilitar a escolha e a decisão dos clientes. Entre eles, a da paleta de cores, orientando op­tar sempre pelas neutras, para não cansar com facilidade, e que os tons mais fortes e vivos sejam utilizados em objetos deco­rativos como almofadas, vasos e quadros.

A respeito dos materiais com maior durabilidade e versatilidade, a designer orienta o uso de piso frio como o por­celanato uma vez que facilita a limpe­za e manutenção. Para a bancada de trabalho, o Silestone vem substituindo o granito por oferecer diferentes tona­lidades em contrapartida ao mármore, que não é recomendado para bancada e piso porque pode manchar facilmente.

Em relação à expressão “o menos é mais”, Patrícia concorda, afinal, “temos que nos preocupar com a sustentabilida­de e tentar sempre fazer o melhor”.

A designer gosta de misturar texturas, mas sempre mantendo os tons. “Uma bancada de granito ou Silestone com armário em laca, madeira de demoli­ção, piso frio, etc. Acredito que tudo se encaixa perfeitamente e deixa um visual harmonioso”, completa.

Para ela, não há um custo mínimo para execução do projeto da varanda gourmet; tudo depende do tamanho e da área a ser projetada.

Patrícia normalmente apresenta a ideia ao cliente junto com os materiais e, após a aprovação, dá início aos orçamentos. Se o cliente achar que o valor ficou alto, outras opções de acabamento com preço mais accessível são oferecidas na tentativa de reduzir os custos.

Para a execução de um projeto de varanda gourmet, são necessários profis­sionais como o empreiteiro para executar o serviço de mão de obra, marmoraria, marcenaria, eletricista, mobiliário, etc.

O tempo de execução da obra depende muito do tamanho da varanda. De acordo com a designer, se for de um apartamento, o tempo de execução da obra pode variar de um a dois meses. Inclui-se aí o tempo de ir ao local para conferir as medidas, ini­ciar o projeto, apresentar ao cliente, iniciar os orçamentos e aprovar.

A profissional recomenda iniciar o trabalho somente na véspera da chegada dos materiais encomendados para que a obra não fique parada devido ao prazo de entrega dado pelas lojas.

Para quem pretende fazer ou ter uma varanda gourmet, Patrícia dá algumas di­cas: “Se possível, contrate um profissional da área para fazer o projeto e acompanhar a execução, vale a pena o investimento. Caso não seja possível, tire as medidas do local, veja bem e pesquise antes de sair comprando. Selecione várias amostras e coloque-as lado a lado para ver se tudo combina entre si. O maior erro é quando se compra os itens individualmente e sem planejamento e acabam não combinando entre si. Outro erro comum é o tamanho do mobiliário; tire medidas antes de com­prar no impulso”, enfatiza.

Aproveite as dicas da designer, idealize, programe-se, pesquise e faça com que este espaço fique mais aconchegante e que os momentos em família e entre ami­gos sejam muito mais agradáveis.

fotos Divulgação/ Luis Gomes

Compartilhe este Artigo